Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Prateleira vazia

15
Ago21

Se numa noite de inverno um viajante - Italo Calvino

Margarida

1970-01-19-093029137.jpg

Estás para começar a ler a nova publicação deste blog. Senta-te. Desfruta. Aproveita todas as sensações que te trouxer, caro Leitor.

Antes de o começar a ler, tinha sobre a narrativa deste livro uma ideia muito geral: de que era uma história sobre a história de um determinado livro que um determinado leitor estaria a ler.
Bem, tal não está longe na verdade, mas acredito que é uma explicação exageradamente simplificada. 
Simplificando mais ainda, este é um livro sobre ler.

Se numa noite de inverno um viajante conta-nos a história de um Leitor que, ao comprar um livro com o mesmo nome do que estamos nós, Leitores, a ler, se depara com um grave erro de edição, tendo sido impressas apenas as primeiras páginas do seu exemplar. O que se segue é uma aventura que toma proporções inesperadamente complexas, que se emaranha num conjunto de pessoas, países, línguas mortas e livros inacabados. 

Passei o livro sem saber muito bem o que era real ou não, pois a narrativa destrói completamente a parede que nos separa do que estamos a ler e une, de uma maneira que nunca tinha visto, o real e o fictício. 
Somos obrigados a atirar-nos de cabeça e a enfrentar temas como a solidão da leitura, os motivos que nos levam a ler e as falsificações e o valor que a verdade realmente tem.

Antigamente um conto só tinha duas maneiras de acabar: passadas todas as provas, o herói e a heroína casavam-se ou morriam. O sentido último para que remetem todas as estórias tem duas faces: a continuidade da vida, e a inevitabilidade da morte.

Este foi o primeiro livro que li do autor e confesso que não me desiludi: às vezes também gosto de começar um puzzle que é, mais ou menos, impossível de acabar.

Classificação: ★★★★

 

comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.